Este belo pássaro, que tanto encanta os criadores, merece uma atenção especial no que diz respeito a sua criação e desenvolvimento. Para tanto, procurei levantar dados importantes de sua criação para poder colaborar, se possível, com nossos colegas criadores, os quais passo a descrever a seguir:

1. DESCOBERTA O diamante de gould foi descoberto por uma expedição cientifica de origem francesa, em 1833, no litoral norte da Austrália. A origem de seu nome foi uma homenagem de um grande ornitólogo John Gould, a sua esposa prematuramente falecida, que muito ajudou nas expedições e no desenho dos pássaros. 2. DESCRIÇÃO O diamante de gould é um pássaro de cores bem vivas de cerca de 12 cms, corpo fino e cauda comprida (filetes). Existem três tipos de cores de cabeça: vermelha, preta e laranja, que podemos descrever da seguinte forma:

– máscara que se estende sobre a testa e as faces.
– coroa preta que limita a mascara.
– colar turquesa (verde-azulado) limita o preto e o peito; e a nuca e o dorso verde escuro.

As costas do gould são de um verde luminoso ligeiramente azulado nos lados.

O peito e violeta com alguns reflexos castanhos.

A barriga tem a cor amarelo ouro.

A cauda e formada de penas pretas sobrepostas com penas azuis.

A fêmea se distingue do macho, pois possui cores opacas: o peito lilás e a barriga amarelo claro; e os filamentos (cauda) mais curtos, que chamamos de espada.

Essa coloração, refere-se ao diamante de gould clássico, pois, hoje já podemos encontrar diversas mutações. 3. CONDIÇÕES DA

CRIAÇÃO Os pássaros devem ser criados num ambiente agradável, espaçoso, com boa ventilação e muita higiene. Um teste para saber se o criadouro tem essas características e o criador ficar algumas horas observando os pássaros, e sentir-se à vontade.

O meu criadouro é a extensão de minha casa e foi construído especialmente para esse fim. É composto de duas salas, que são exploradas ao máximo. Uma, maior (7,5m por 4,5 m), e reservada exclusivamente, para a criação no período de cria e na fase seguinte de separação e desenvolvimento dos filhotes. A outra, menor (4,5 m por 3,0) é usada para manter o plantel e seleção de pássaros, que irão participar dos campeonatos. Mas isso não e uma disposição rigorosa, esta sujeita a alterações, de acordo com as necessidades.

O pé direito mede em media 3 metros. E bem arejado, tendo em suas janelas e portas, telas de proteção contra mosquitos. Na parte de fora, no estilo de uma área de serviços, estão os tanques para a lavagem e higienização dos equipamentos, grades, gaiolas etc.
Internamente, as gaiolas são colocadas lado a lado, fixadas na parede, mantendo assim um bom espaço livre para o manejo.

O piso e feito de material rústico – cimento queimado – mas com bom escoamento de água.

O passo seguinte, na programação de um criadouro ideal, e a escolha dos equipamentos – gaiolas, ninhos, comedouros etc. É fundamental que o material seja de qualidade, resistente e durável. É uma questão de segurança para as aves e de economia para o criador.

Após a escolha dos equipamentos, escolher os casais de Diamante de Gould e as amas-secas. Os casais deverão ser selecionados de acordo com a genética e padrão de cada um. Quando da colocação do macho e fêmea juntos, os mesmos deverão, instantaneamente, começar o ritual de acasalamento. Caso isso não aconteça devem ser separados, pois levarão muito tempo para se acasalar. Isso não é uma regra.

Serão utilizados 4 comedouros, sendo um para alpiste puro, outro para mistura de sementes (70% de painço e 30% de alpiste), outro para água e o último para minerais e casca de ovo.

O ninho que utilizo para as matrizes são os quadrados (15x15x15cm). Quanto maior melhor. O diamante, geralmente, faz a copula dentro do ninho.

As gaiolas são postas na parede através de um suporte que comporta 5 gaiolas.

O ideal desse suporte e que seja móvel para facilitar a limpeza e que esteja a 5 cm distante da parede.

Não é bom colocar gaiolas com pássaros da mesma espécie uma ao lado da outra, porque pode haver brigas.
As gaiolas das amas-secas (Manons do Japão) são postas na parede através de um suporte que comporta 5 gaiolas.

Em cada gaiola, com a devida separação, serão colocados 2 casais de amas.

A alimentação será dada de duas formas: a primeira, quando os manons nao estão com filhotes, será dada a mistura de semente, a água e os minerais com casca de ovo. A Segunda, quando já tem filhotes, será acrescida de mais um recipiente para mistura de sementes e uma com água. Quando aparecerem filhotes será dada a farinhada todos os dias em quantidade suficiente para alimenta-los (duas colheres ou três das de chá). Agora, quando estão sem filhotes uma colher basta.

O ideal e que seja dado verdura diariamente. Mas as folhas devem ser bem presas na grade.

Podemos utilizar de 3 tipos de ninhos. O que tenho mais usado e o retangular, embora em alguns casos (Manon bota os ovos no local reservado para os filhotes ou não entra no ninho) utilizo os outros alternativos.

As gaiolas serão colocadas em número de cinco, sendo os ninhos colocados nas laterais, ficando assim bem arejado.

Tenho feito algumas anotações na frente do ninho, utilizando de giz comum. No alto o número do casal da ama-seca; embaixo o número do casal matriz e a data em que foram colocados os ovos e no centro, dento de um circulo, a data de nascimento do primeiro filhote.

O ninho deve ser previamente preparado com a colocação de grama do tipo japonesa/chinesa. Também deve ser colocado um pouco de grama no interior da gaiola pra que os pássaros dêem o acabamento final.

Após mais ou menos 10 dias os pássaros começarão a botar. Depois de 7 dias do último ovo botado o criador poderá notar se os ovos estão ”cheios”, ou seja, com embrião.

Entre l3 e 16 dias nascerão os primeiros filhotes.

Entre o quinto e oitavo dia, dependendo do tamanho, os filhotes serão anilhados.

No sexto dia os filhotes ganharão uma cor mais escura.

No décimo dia começam a despontar as penas.

No décimo quinto dia as penas já estão quase formadas.

Por volta do vigésimo terceiro dia o filhote já sai do ninho. Por volta do trigésimo quinto dia os filhotes já estão no tamanho natural.

Quando não aparecerem mais as marcas fosforescentes na lateral do bico, de quarenta e cinco a cinqüenta dias após nascido, os filhotes podem ser separados e colocados (6 pássaros no máximo) em gaiolas idênticas as utilizadas para os Diamantes de Gould – matriz, com a inclusão de uma vasilha com semente no interior da gaiola, para ter comida em abundancia. Serão colocados 6 comedouros, sendo 2 com água, 2 com mistura de sementes, 1 com alpiste puro e 1 com minerais e casca de ovo.

Como alternativa poderá ser utilizada no interior da gaiola um cocho de 16 cm de comprimento por 8,5 cm de largura e 4,5 cm de altura. A abundância de comida e essencial nessa fase de vida. E em vários lugares evita a briga entre os filhotes.

As gaiolas também são postas na parede através de um suporte que comporta 5 gaiolas.

Após 15 dias de estadia nas gaiolas, o criador, por opção, poderá coloca-los em voadeiras, em número não superior a 15 filhotes.

Poderá ser utilizado no interior da voadeira um cocho de tamanho: 36 cm de comprimento por 8,5 cm de largura e 4,5 cm de altura e um bebedouro maior.

Dá para ser ter uma idéia da cor que o pássaro poderá ter quando adulto, verificando a cor dos filhotes.

Na região de Sorocaba, a partir de Setembro, independentemente da época que nasceu, os filhotes começam a primeira muda de pena.

Após 30 dias do início da muda o filhote estará quase totalmente mudado, restando alguns ”cartuchos” ainda na cabeça.

Quando começar a aparecer as duas penas principais do rabo, denominado filete, o filhote deve ser separado e ir para a gaiola de exposição. A alimentação será: 1 comedouro com mistura de sementes (substituir por alpiste puro, caso o pássaro esteja obeso); 1 de água e I de minerais e casca de ovo.

4. ALIMENTAÇÃO O diamante de gould necessita de alimentação variada e abundante, tendo como básica, os grãos e a complementar constituída de verduras e farinhas. Não conheço um estudo que permita verificar a quantidade correta dos alimentos a ser fornecido, mas posso recomendar a seguir a que tenho dado por vários anos e venho obtendo razoável sucesso:
a) grãos:
Painços – 70%
Alpiste – 30%

Os grãos devem ser estocados em local fresco e ventilado, quando fornecer os mesmos aos pássaros deve-se peneira-los para que fiquem livres de poeira.
b) Verduras:
Almeirão ou chicória, três vezes por semana.
c) Farinhada:

Farinhas: Farinha de rosca 20% Neston (Floco de cereais – trigo, cevada e aveia) 60% Farinha Láctea 20%

Para cada quilo de farinhada pronta acrescentar 45 gramas de premix (aminoácidos essenciais) encontrado em lojas de animais e 45 gramas de fosfato bi-cálcico.

Para cada quatro colheres (sopa) das farinhas acrescentar um ovo cozido triturado. Pode ser substituída por farinhada pronta.
d) Outros:

– Areia média de rio, bem lavada (ajuda na digestão)
– Casca triturada de ovo de galinha

e) Água de beber

Recomenda-se que a água seja trocada diariamente e em certos casos (casal com grande quantidade de filhotes) duas vezes ao dia. A água deve ser fresca e filtrada de preferência e os bebedouros devem ser bem lavados.

Espero com este pequeno trabalho ter transmitido alguns conhecimentos básicos sobre o diamante de gould. Espero também que surjam novos criadores para melhora de qualidade de nossas aves e aparecimento de novas mutações.