Meu canário parou de cantar! O que fazer?

A frustração comum para criadores de canários é quando uma ave deixa de cantar. Para o animal de estimação que acabou de ser adquirido, é compreensível que pode demorar um pouco mais para ele começar a cantar. Alguns canários já vão cantar na sua primeira manhã na nova casa, mas muitos levam até duas semanas para se ajustarem a uma nova gaiola e ambiente.

Canário que não canta e acabou de chegar na sua casa?

Para evitar um período de adaptação muito longo para um canário, compre um macho que tenha pelo menos 6 meses, mas menos de 3 anos de idade. Ele deve ser o único pássaro em uma gaiola espaçosa, e colocado no alto de sala sem correntes de ar e muito bem iluminada. É um cuidado básico com canários.

Meu canário parou de cantar. O que fazer?

Um canário que para de cantar depois de um tempo pode ser uma fêmea. Alguns jovens canários cantam, mas eles costumam parar após a sua primeira muda de penas de bebê. Outros canários podem cantar esporadicamente ao longo do ano, mas eles raramente têm a consistência ou a mesma duração que canários sexo masculino. Se seu pássaro tenta construir um ninho na primavera ou chega a por um ovo, então você tem um canário fêmea e você não deve esperar que ela cante bem.

Meu canário parou de cantar: o que pode ser? Arrumar um companheiro ou companheira não é solução

Um erro comum é pensar o seu canário macho está solitário e não canta por causa disso. Por isso, precisa de um companheiro ou companheira. Mais um canário na gaiola pode inicialmente causar um aumento no canto, mas muitas vezes pode inibir o macho de cantar uma vez que o parceiro está estabelecido. Da mesma forma, se um espelho é colocado na gaiola, pode haver mais música em um primeiro momento, seguido por menos cantoria, em um segundo. Um problema pior é colocar outro macho na gaiola que irá causar uma série de brigas entre os dois pássaros. Ambos tornam-se esgotados e, em seguida, param de cantar.

Meu canário parou de cantar depois da muda

Eventualmente, cada canário entra em um período de silêncio. A primeira coisa a considerar é se o pássaro acabou de passar pela muda. A maioria dos canários para de cantar por alguns meses a cada verão, enquanto eles concentram sua energia em substituir todas as suas penas. Algumas aves jovens podem cantar durante a muda, mas à medida que envelhecem eles são menos propensos a fazê-lo. Assim, uma muda de verão é uma razão normal e esperada para canários não cantarem, mesmo que já tenham cantado durante mudas anteriores.

Canários podem também podem passar pela muda em outras épocas do ano. A muda geralmente é desencadeada pela exposição a mais de 14 horas de luz por dia. Temperaturas mais quentes também pode iniciar uma muda. Finalmente, o estresse pode provocar uma muda. Um caso clássico é a aquisição de um pássaro no inverno que foi mantido em um viveiro grande, e passar a mantê-lo em uma gaiola pequena em uma sala quente com as luzes acesas. O estresse da nova casa, juntamente com o calor e iluminação adicional está quase garantido para iniciar uma muda. Depois de algumas semanas, as penas começam a cair e a ave não cantará.

Uma vez que uma muda começar, a única coisa que você pode fazer é esperar cerca de 2 meses até que a muda esteja terminada. É importante para alimentar o seu canário com doses extras de proteína durante este período. Se o pássaro está em uma dieta de sementes, complete com preparados especiais de proteínas para canários, germine sementes para o canário (deixe de molho na água da noite para o dia), e cozinhe um ovo para o canário, misturando aos alimentos. Remova qualquer quantidade que não foi comida para garantir que não apodreça.

Após a muda acabar, algumas aves mais velhas podem não cantar por um tempo. Tente tocar música clássica ou músicas com outros canários cantando para obter colocar seu pássaro cantando novamente. Tudo faz parte do processo natural da criação de canários.

Mas quero que meu canário cante. Posso parar a muda?

Não! Canários precisam da muda. A muda é necessária para manter um canário saudável. 12 horas de luz, com um ciclo natural de iluminação e escuridão, é o que um canário precisa para ter suas mudas e sua saúde perfeita.

Mas e um canário que pára de cantar e não está na muda?

Pode ser dois sinais: saúde debilitada ou sinais da idade. Para o primeiro, da saúde, você deverá consultar um veterinário, e informações de livros de crianções de aves. Deve se certificar de que a dieta do canário está apropriada, de que a gaiola está recebendo a higiene apropriada, que tem o tamanho apropriado, e que a gaiola tem espaço para o canário se exercitar.

Ácaros e piolhos podem contribuir para acabar com o canto do canário. Verifique se há algum entre as penas. Infecções respiratórias também podem impedir o canto dos canários, e devem ser tratados por medicamentos veterinários apropriados.

Dor e machucados podem também fazer com que o canário pare de cantar. Veja se há algum machucado nas patas, olhos, asas, ou qualquer parte do corpo. Veja se as garras estão grandes demais, e caso seja necessário, corte um pequeno pedaço das pontas.

Entre 5-10 anos de idade, o pássaro estará já idoso para cantar com a mesma intensidade como quando era novo, mas é natural. Por isso, continuar com sua criação de canários saudáveis é importante, para manter sempre os belos cantadores em sua criação.

Ainda tem dúvidas? Deixem suas perguntas nos comentários, e responderemos assim que for possível!

fonte: https://www.estimacao.com.br/meu-canario-parou-cantar-fazer/

Aprender a cuidar de pássaros de estimação

Saiba quais são os cuidados necessário para as aves

Os pássaros são ótimos animais de estimação e visitantes bem-vindos de seu jardim. Qualquer espécie de ave precisa de cuidados especiais como qualquer outro animalzinho, e é importante que não se esqueça disso.
Mais: Coisas sobre a medicina veterinária que você não sabia
Se você está pensando em ter um, os cuidados necessários incluem uma boa moradia, alimentos nutritivos e atenção quanto à saúde da ave. Muitas das doenças em pássaros são causadas pela falta de limpeza nos comedouros e bebedouros, por exemplo. Então, aprenda como cuidar da sua ave.
Os pássaros precisam de cuidados especiais
Reprodução Pinterest
Os pássaros precisam de cuidados especiais

Gaiola
A gaiola adequada dependerá do tipo de ave, então saiba antes qual espécie você tem ou irá escolher para comprar o melhor produto.
O tamanho da gaiola deve ser o suficiente para a ave abrir suas asas em toda sua envergadura. Para algumas espécies, conseguir voar pequenas distâncias dentro da gaiola pode ser importante para garantir um ambiente saudável. Então, quanto maior o tamanho melhor.
Apesar das gaiolas maiores serem mais caras e difíceis de limpar, se você não fica tanto em casa e/ou não tem tempo para tirar o pássaro, terum maior espaço é essencial. Gaiolas pequenas costumam levar a problemas de comportamento.
Mais: Os 12 melhores gifs para comemorar o Dia Mundial do Gato
As hastes da gaiola não devem ser muito próximas e nem muito distântes. Muito pequenas ou próximas, as garras da ave podem ficar presas nelas; e espaçadas demais possibilitam o pássaro passar a cabeça por ela e ficar preso, ou podendo até escapar.
Para a limpeza, ponha alguns jornais ou revistas velhos no fundo da gaiola. Isso torna a limpeza bem mais fácil, e o papel pode ser jogado no lixo facilmente e trocado por um novo para o próximo dia.
Alimentação
Antes de determinar o que sua ave irá comer, saiba quais sementes e rações são especiais para a espécie. Troque os grãos diariamente e retire os restos de comida da gaiola para não apodrecerem.
Leve a criação da sua ave a sério
Reprodução Pinterest
Leve a criação da sua ave a sério
Dê as mesmas frutas e vegetais frescos e saudáveis que você come. A alimentação fica mais verde e a dieta, mais variada. Uma mistura ou variedade de alimentos é ótima para a saúde do seu animal.
Os comedouros devem ser limpos regularmente, pois pode acumular poeira e bolor por causa do resto de ração e sementes. No caso de alimentos frescos como frutas e verduras, eles devem ser lavados assim que o alimento for retirado.
Existem algumas comidas que não são adequadas para muitas espécies de aves, como nenhum tipo de álcool, chocolate, abacate, condimentos e temperos. Todos eles contêm componentes químicos que podem ser tóxicos aos pássaros.
Troque a água todos os dias, pois a água parada pode gerar fungos e germes nocivos para a saúde do pássaro. A limpeza do bebedouro também deve ser diária. Mantenha sempre limpa o recepiente, escovando com água e sabão.
Mais: Veja os 6 animais de estimação mais raros, e caros, para se ter em casa
Os potes de água e comida devem ficar no alto e fora do alcance de galhos acima deles, para evitar que os pássaros defequem em cima da comida.
Limpeza
Os pássaros não precisam se limpar tanto quanto outros tipos de animais. Coloque uma banheira para o banho de 2 a 3 vezes por semana, grande o bastante para o tamanho da ave. Retire a banheira logo em seguida para não correr o risco do pássaro beber da água suja. Para fêmeas em período de reprodução a banheira deve ser colocada todos os dias para que os ovos possam umidecer.
Esses animais gostam de se banhar para se refrescar em climas mais quentes, então ofereça água a eles em períodos assim. Além disso, eventualmente dê um osso de siba para sua ave lixar seu bico e afiá-lo.
A gaiola também deve ser limpa para reduzir as chances de seu pássaro desenvolver infecções bacterianas, virais ou causadas por fungos. Troque o forro regularmente, limpe as fezes que caírem em brinquedos ou poleiros e tire alimentos não comidos que se acumulem no chão da gaiola.

via GIPHY
Faça a limpeza somente com produtos de limpeza neutros e não tóxicos. As aves são animais delicados, então descubra se o produto é seguro para elas antes de usá-los.
Comportamento e cuidados
Preste sempre atenção no comportamento de seu pássaro. Se ele estiver muito agitados ou desanimado pode ser sinal de algum desconforto ou doença. Certos sinais físicos também são indícios de problemas, como a troca de plumagem frequente e fora de época. Isso pode ter como causa alimentação inadequada, doenças de pele, parasitas, entre outros.
Ache um veterinário que tenha qualificação para trabalhar com pássaros. Leve seu animal para check-up regularmente, saiba da necessidade de cortar o bico e as unhas e se atente as vacinas e vermífugos. Apenas o profissional sabe o que é melhor para sua ave.

Fonte: Canal do Pet – iG @ http://canaldopet.ig.com.br/cuidados/2017-02-18/passaros.html

Criar pássaros exóticos e legalizados, certo ou errado?

Criar pássaros exóticos e legalizados, certo ou errado?

Bom meus amigos, esse sem dúvida é um assunto muito polêmico em que a opinião das pessoas ficam divididas. De um lado, as pessoas são contra a prisão dos animais, do outro, quem é a favor acredita que se o pássaro está legalizado então está tudo certo. Mas para você entender melhor sobre esse assunto, vamos explicar os prós e os contras sobre a criação de pássaros silvestres autorizados pelo IBAMA e a criação de pássaros exóticos.

Vamos começar falando sobre a criação dos pássaros silvestres de origem brasileira e sua autorização de criação e reprodução em cativeiro pelo IBAMA.
Prós: Se um pássaro está legalizado, significa que ele não foi capturado na natureza (pássaros capturados na natureza não podem ser legalizados), ou seja, aquele pássaro foi gerado em um criadouro que atendia todas as normas e recebeu autorização do IBAMA. Mas aí vem a pergunta que todos que são contra utilizam como argumento: “Mas para o primeiro pássaro autorizado gerar os demais, ele não teve que ser capturado na natureza?”. A resposta é SIM, claro que o primeiro pássaro que gerou os demais teve que ser capturado mas ninguém sabe exatamente porque esse pássaro foi capturado, poderia ter sido pelo próprio IBAMA com a função de criar esse método de autorização e reduzir a captura ilegal, pode ter sido alguma instituição científica com objetivos de estudar a espécie, pode ter sido por alguma ONG visando preservar a espécie. Há muitas teorias, mas o importante é que aquele pássaro gerou outros em cativeiro e sua reprodução foi autorizada.

A maioria dos criadores de pássaros em cativeiros são amadoristas, criam pelo seu canto ou sua beleza mas existem também grandes criadouros que visam preservar as espécies, muitas delas ameaçadas de extinção. Esses criadores são “ajudantes” das natureza, algumas espécies de pássaros acabam sendo extintas devido aos grandes desmatamentos, a caça ilegal e a captura pelo tráfico de animais silvestres. A função desses criadouros é reproduzir ao máximo esses pássaros em cativeiro e tentar fazer sua reintrodução na natureza preservando assim a existência das espécies.

Contras:

Por que prender um animal inocente que nunca fez mal a ninguém só para ouvir seu canto?
Você gostaria de ser aprisionado em uma jaula sem ter feito nada?
Pássaro preso não canta, ele lamenta!
Se você quer ouvir o canto dos pássaros e ter eles por perto plante árvores, atraia eles com alimentos.
Os pássaros são mais belos quando estão soltos.
Quando alguém vir você com uma gaiola na mão, mesmo que ele saiba que o seu pássaro é autorizado, ele vai querer capturar um para ter também.

E criar pássaros exóticos, é certo ou errado?
A criação de pássaros exóticos também não é proibida pelo IBAMA, uma vez que se esses pássaros fossem soltos em nossas florestas, eles não conseguiriam encontrar seu próprio alimento e acabariam morrendo.

Contras: São os mesmos argumentos utilizados para os pássaros silvestres autorizados;
Existe também a ideia de que se esses pássaros não são originais do Brasil, então eles são silvestres em algum país.

Prós: Um dos prós responde a questão citada a cima, e retoma a ideia sobre o motivo do primeiro pássaro ter sido capturado. Por que aquele pássaro exótico foi capturado? Se ele foi trazido para um país que não sobrevive solto seria correto soltá-lo? Temos que explicar também que os pássaros exóticos que existem em nosso país são reproduzidos aqui, eles não são mais capturados.
Um pássaro exótico é como outros bichinho de estimação como um Porquinho da Índia, Hamster ou um Coelho.

Então, agora que você já sabe os prós e contras sobre a criação de pássaros qual a sua opinião? Contra ou a favor?

fonte: https://www.sobreospassaros.com.br/criar-passaros-exoticos-e-legalizados-certo-ou-errado/

Uma nova proposta, 4 passos Conhecer + Admirar + Preservar + Multiplicar

Nossos príncipios
Fundada pelo estudioso da vida das aves, Sandro Von Matter, Passarinhar é uma iniciativa global sem fins lucrativos idealizada sobre quatro príncipios básicos, a Divulgação Científica, a Observação de Aves Serena, a Ciência Colaborativa e as Caminhadas Globais de iniciação.

Uma outra observação de aves o “Slowbirding”
Nos últimos anos o barateamento das câmeras digitais e o formato das iniciativas relacionadas ao tema impulsionaram uma forma de observar aves que esta intimamente conectada a fotografia de animais silvestres, a rapidez do registro e a competição.

O Passarinhar nasce para impulsionar uma outra forma de praticar a observação de aves, é o slowbirding, ou seja, uma observação focada na admiração profunda e tranquila das aves em seu ambiente natural, inclusive das espécies mais comuns aquelas que habitam as nossas vidas quase todos os dias.

Assim surge a Observação de Aves Serena, o movimento Slowbirding Brasil, a primeira iniciativa brasileira dedicada exclusivamente a sensibilizar das pessoas para a contemplação das aves.

Ciência Cidadã, todos pela Conservação das Aves
Acreditamos que cada pessoa, cada indivíduo possui em suas mãos o poder de mudar o mundo.

Por este motivo o Passarinhar foi idealizado para oferecer um caminho para que cada observador de aves, de qualquer parte do país possa efetivamente contribuir para a conservação das aves.

Não é legal? Além de praticar uma atvidade prazerosa ao ar livre, observadores podem anotar uma série de informações sobre as aves de sua região em encaminhar através da internet para os cientistas associados ao Passarinhar.

Foi assim que milhares de pessoas participaram do Projeto a Hora do Sabiá, um dos primeiros projetos a nível nacional de ciência cidadã do país. Com toda essa ajuda o pesquisador Sandro Von Matter pode investigar todos os detalhes sobre a vida da espécie.

Caminhadas Globais e acesso livre a Ciência
Como perceber e se importar com a natureza sem antes observá-la com profundidade?

Para a reaproximar as pessoas da natureza idealizamos Caminhadas Ecológicas totalmente gratuitas e abertas ao público com o objetivo de sensibilizar os participantes para a sua beleza e mistérios.

São caminhadas guiadas em parques, praças e parques lado a lado com pesquisadores que se dedicam a desvendar os segredos da vida das aves, integrando de forma inovadora atividade física e acesso a informação científica.

Mas o Passarinhar vê a Observação de Aves como uma atividade onde o mais importante são as pessoas, os amigos e a família, aqueles que nos admiram por quem realmente somos.

Por este motivo nossas caminhadas tem um caráter único, cada um dos participantes deve cumprir um único pré-requisito, devem levar como acompanhante alguém próximo “que nunca antes observou aves”.

É uma iniciação, uma iniciação no mundo da Observação de Aves, mas não é só isso. Nossas caminhadas ocorrem simultaneamente no mesmo dia em todo o país, e duas vezes por ano em todo o mundo.

São milhares de pessoas no mundo todo, em um mesmo dia unidas em torno de um objetivo: compartilhar o prazer de perceber e admirar as aves.

fonte: http://www.passarinhar.org.br/

Observação de Aves Contemplativa

Muito mais que fotografar, essa é a Observação de Aves Serena, é se aproximar de um outro ser vivo ao mesmo tempo tão diferente e tão similar de nós humanos, pois tanto quanto nós uma pequena ave enfrenta todos os dias obstáculos e dificuldades tão desafiadoras quanto as nossas.

Ao se aproximar deste outro ser, em silêncio, vagarosamente de forma contemplativa abrimos uma janela para percebermos a essência da vida desta ave profundamente. A partir deste ponto passamos a nos identificar com ele, admirá-lo e respeitá-lo, de uma forma única, mas mais do que isso passamos a nos perceber e a enxergar além do óbvio.

É um caminho sem volta, que nos muda internamente e nos transforma de pessoas comuns para cidadãos ativos que percebem a natureza de forma clara e se empoderam conscientemente para agir e lutar pela conservação da natureza, pela preservação de nós mesmos.

Junte-se a nós, seja um membro desta revolução, seja um representante da iniciativa em seu bairro, em sua cidade e participe desta revolução em prol da conservação das aves brasileiras.

fonte: http://www.passarinhar.org.br/

IBAMA

Uma criação de coleiros implica em uma série de procedimentos legais. Antes de tudo, não se deve adquirir em nenhuma circunstância, nem mesmo por doação, pássaros silvestres sem comprovação testemunhal e documental de procedência.

A documentação legal para criação deve estar impecável. Visitar outros criadores também é fundamental para ver como os pássaros adaptam-se e como devem ser criados.

Um especialista da área também deve ser consultado. É necessário que ele acompanhe o início da criação e atenda a quaisquer problemas que o criador passar ao longo dela.

A autorização para Criação Amadora Passeriformes tem validade anual, sempre no período de 01 de agosto a 31 de julho, devendo ser requerida nova licença 30 (trinta) dias antes da data de vencimento.

Pássaro adquirido de Criador Comercial

Ao adquirir uma ave de um Criador Comercial, a ave vem com nota fiscal em seu CPF junto com o documento de registro da ave no IBAMA e nº de registro do Estabelecimento Comercial junto ao IBAMA.

O documento recebido no ato da compra isenta você da necessidade de registro no IBAMA como criador amador, te dando todos os direitos de ter o pássaros em mãos, podendo circular com ele livremente dentro do estado que o adquiriu, necessitando de laudo veterinário nas viagens interestaduais, sendo proibido a exportação.

A necessidade de cadastro no IBAMA, deverá ser revista quando após adquirir uma ave comercial, você tiver o objetivo de criação. Sendo assim você deverá se cadastrar no site do IBAMA e depois dirigir-se a uma unidade do IBAMA. Veja mais detalhes abaixo no tópico REGISTRO.

Após a finalização do cadastro, você poderá fazer pedidos para receber suas anilhas, registrar seus filhotes e andar devidamente regularizado perante o orgão que doutrina a criação de pássaros silvestres no Brasil.

O Registro

A solicitação de inclusão na categoria de Criador Amador de Passeriformes somente poderá ser feita por maiores de dezoito anos e deverá ser realizada pela internet, através da página de Serviços On-Line do IBAMA no endereço http://www.ibama.gov.br

Para cadastro e liberação da Autorização para Criação Amadora de Passeriformes, o interessado deverá, após realizar a solicitação descrita no site, apresentar ao Órgão Federal de sua jurisdição cópia autenticada dos seguintes documentos:

I – Documento oficial de Identificação com foto;
II – CPF;
III – Comprovante de residência expedido nos últimos 60 dias;

Caso os documentos sejam entregues pessoalmente no IBAMA, fica dispensada a autenticação das cópias mediante a apresentação dos documentos originais, que serão autenticados pelo servidor responsável.

Unidades do Ibama
Clique em cima da sigla

Serviço de Informação ao Cidadão
O interessado em tornar-se Criador Amador de Passeriformes não poderá ter sido considerado culpado, em processo administrativo ou judicial transitado em julgado, cuja punição ainda esteja cumprindo, nos termos do inciso X do Artigo 3° do Decreto nº 6.514, de 22 de julho de 2008 ou no inciso XI do Artigo 72 da Lei 9.605/1998.

A Autorização para Criação Amadora de Passeriformes será efetivada somente após a confirmação do pagamento da taxa correspondente.

Somente após a obtenção da Autorização, o Criador Amador de Passeriformes estará autorizado a adquirir pássaros de
outros Criadores Amadores de Passeriformes já autorizados;

Sempre que os dados cadastrais forem alterados, principalmente o endereço do estabelecimento, o Criador de Passeriformes deverá atualizar seus dados cadastrais no sistema no prazo de 07 (sete) dias e encaminhar ao IBAMA, dentro no prazo de 30 dias, os documentos listados no cadastro.

O não cumprimento das regras caracteriza empecilho à fiscalização, nos termos do artigo 77 do Decreto nº
6.514, de 22 de julho de 2008, sujeitando o criador às sanções correspondentes.

Algumas medidas devem ser adotadas para obter êxito na criação

1- Não comprar os pássaros de criadores ilegais, pois estes não podem ser registrados no IBAMA.

2- É obrigatório o registro o SISPASS como criador amadorista.

3- Criadores amadoristas só podem transacionar pássaros entre si (máximo de 50 transações por período de licença) ou adquirir aves de um criador comercial devidamente registrado no IBAMA.

4- A venda de aves para pessoas que não querem ser criadores amadoristas deve ser feita apenas por criadores comerciais, registrados no IBAMA com a devida nota fiscal.

5- O criador deve renovar sua licença anualmente, gerando um boleto de pagamento pelo SISPASS.

6- Para promover torneios e exposições, os criadores amadoristas devem encaminhar um calendário ao IBAMA até o último dia útil do mês de outubro do exercício anterior.

fonte: http://www.ocoleiro.com/ibama/

O MEU COLEIRO DÁ TORNEIO?

Em primeiro lugar é necessário destacar que nem todo coleiro é de torneio.

Isso deve ficar claro desde o início. Os coleiros de torneio são pássaros de fibra (que não se intimidam com outros machos). Então, o primeiro passo para ter um coleiro de torneio é saber se ele é, de fato, um pássaro de torneio.

Para preparar o coleiro e testar se ele é realmente de torneio, nós vamos listar algumas das dicas dadas pelos passarinheiros que frequentam os torneios Brasil afora. Vale lembrar que as dicas são diferentes porque os pássaros de cada um são diferentes também.

– Há quem prepare o coleiro com uma parelha (outro coleiro “parceiro” que sempre cante disputando com ele). Estes criadores colocam o pássaro escutando um outro coleiro de longe, assim, ele vai se sentir confiante para soltar seu canto e demarcar seu território.

– Há quem não tenha um segundo coleiro para fazer a parelha. Nestes casos, os criadores acabam recorrendo mesmo ao CD. Coloque o CD para fazer a “parelha” com o coleiro, para que ele se acostume a cantar em desafio a um outro.

– Há quem prepare o coleirinho para os torneios com uma fêmea. Deixam o coleiro vendo a fêmea nos períodos anteriores ao torneio para que ele fique bastante agitado, cantando bastante. O risco que se corre é de que o coleiro fique “enfemeado”, ou seja, dependente de uma fêmea para cantar.

– Há criadores que rejeitam o uso de parelha, de CD ou de fêmea para incentivar o coleirinho. Há quem afirme que coleiro bom canta sozinho e não precisa de recursos para cantar. Porém o Fogo Selvagem, 1º colocado por muito tempo no Campeonato Brasileiro é enfêmado.

– Há quem coloque vários poleiros na gaiola de torneio, para “travar” a gaiola. Assim, o coleiro tem menos espaço para voar e fica mais concentrado em sua cantoria.

– É consenso entre os criadores que coleiros de fibra devem estar sempre sendo mudados de prego, para acostumarem-se a cantar no mais diversos locais. Um coleiro que fica sempre no mesmo prego fica assustado quando chega na roda ou em locais diferentes.

fonte: http://www.ocoleiro.com/torneio/o-meu-coleiro-da-torneio/

PAROU DE CANTAR?

fonte: http://www.ocoleiro.com/parou-de-cantar/
2017022001

Coleiros podem, no decorrer da vida, parar de cantar. Isso pode acontecer quando eles ficam doentes, quando ficam tristes, quando não são manuseados o suficiente, quando estão prestes a entrar na muda, quando voltam da muda, quando estão com medo, quando viram ou ouviram outro macho que os intimidou, etc. Acontece muito de um coleiro macho parar de cantar por ter outro macho cantando na mesma casa que ele.

Em primeiro lugar, é necessário lembrar que os Coleiros só cantam bem de Setembro a Março (ou até que sua muda de penas se inicie). Não queira que seu Coleiro cante muito entre Abril e Agosto. Se você forçá-lo (com fêmeas ou com desafios diante de outros coleiros) você pode prejudicar sua recuperação durante os meses de descanso.

Mas há, de fato, alguns macetes para ajudar o Coleiro a cantar com mais vigor. Você terá de descobrir o que vai fazer o seu Coleiro “soltar o canto”. Seguem algumas dicas para recuperar a boa forma do Coleiro:

Banhos de Sol:

Sol pela manhã é uma das coisas que mais alegra os pássaros. Tome cuidado com a exposição excessiva. Sempre deixe uma parte da gaiola que não tome sol, com sombra (pois o pássaro terá onde se abrigar quando sua temperatura subir).

Banheiras com água:

Pássaros também adoram banhos. Isso faz bem para sua higiene e para seu humor. Tome cuidado com Coleiros muito novinhos nos dias de frio. Eles ainda não sabem direito quando podem tomar banho e quando não podem (e o criador terá de ter este discernimento). Cuidado também com o posicionamento da banheira dentro da gaiola (para que ela não fique abaixo de um poleiro). O Coleiro pode fazer suas necessidades na água e depois utilizá-la para beber (o que é muito prejudicial à sua saúde).

Lugares abertos, com barulho de natureza:

Se seu Coleiro fica sempre em casa (sempre no mesmo prego), há chances de que ele esfrie. Coleiros gostam de movimento. Quanto mais você mexer com ele, mais ele vai gostar. Leve-o a praças e lugares abertos, com sons da natureza. Isso vai animar seu pássaro.
Ouvir, à distância, um outro coleiro cantar (ou um CD):

Seu Coleiro pode se animar também quando ouvir outros pássaros cantarem (sejam pássaros de verdade ou sons vindos de um CD). Ele irá se sentir motivado a demarcar seu território (e irá cantar). Caso você utilize um CD, não coloque o volume alto (pois isso pode intimidar o Coleiro).

Ver ou escutar uma fêmea:

Fêmeas são sempre uma boa maneira de mexer com o brio do Coleiro. Preste atenção se seu Coleiro vai gostar de cantar para uma fêmea, pois alguns deles ficam tão assanhados quando vêem uma fêmea que não fazem mais nada (nem cantar). Você terá de descobrir se a fêmea ajuda ou atrapalha o canto do seu Coleiro.

Ficar pendurado em lugares interessantes:

Coleiros gostam de movimento. Por isso, se você colocá-lo isolado em um quarto sem movimentação, talvez ele fique triste. Procure deixá-lo em um lugar onde ele possa ver pessoas e movimentação. Cuidado na hora do repouso. Se seu Coleiro ficar em um lugar onde ele não tenha sossego na hora do repouso (de noite) isso pode prejudicar sua saúde.

O COLEIRO

Coleiro, Coleirinha, Coleirinho, Papa-capim, Bahiano, Paulista ou Papa-Arroz é uma ave do gênero Sporophila.

Seus habitat são campos abertos e capinzais, ocorrendo praticamente em todo Brasil, com exceção da Região Amazônica e Nordeste.

Devido ao crescente desmatamento e caça ilegal observa-se o aparecimento destas aves em regiões urbanas, sendo avistados nos quintais das casas e nas ruas das cidades, à procura de alimento, há regiões que já foram extintos.

Alimenta-se principalmente de pequenas sementes. Quando criada em cativeiro, sua dieta baseia-se em alpiste e outras sementes. É uma ave muito aprecida por criadores, profissionais e amadores, devido à beleza de seu canto. Hoje existe a disputa de canto em torneios realizados com aves certificadas e registradas junto ao IBAMA.

Na região sudeste, os criadores classificam o coleirinho em dois diferentes tipos levando em consideração o seu canto: Tuí-Tuí(ou Macaquinho), Trindade, Suil Suil, Mateiro e o Grego, sendo o primeiro de canto mais puro e melodioso, consequentemente mais valorizado.

Reproduz-se entre agosto e fevereiro, sendo que em algumas regiões e em casos de abundância de alimento pode reproduzir-se durante todo o ano, principalmente em regiões de clima quente.

Sua ninhada geralmente constitui-se de um a três filhotes, os quais são valentemente protegidos pelos pais contra predadores, não obstante seu tamanho reduzido.

No período reprodutivo, o casal afasta-se do grupo e estabelece seu território. No início o ninho é construído pelo macho e todas as demais tarefas correspondem à fêmea, ficando o macho com a atribuição de cantar para afastar outros coleiros da área.

Apesar de viver nas áreas abertas, procura árvores da borda das matas nos horários quentes do dia e nidifica em árvores e arbustos do contato mata/campo aberto.

O ninho, feito à base de gramíneas, raízes e outras fibras vegetais é construído em forma de tigela rasa sobre arbustos a poucos metros do solo. A fêmea põe geralmente 2 ovos, que são incubados por cerca de duas semanas ou menos, cada fêmea choca 3 ou 4 vezes por ano.

Os filhotes abandonam o ninho após 13 dias de vida e com 35 dias, já estão aptos a comerem sozinhos, e atingem a maturidade sexual logo no primeiro ano de vida, podendo viver em média de 10 a 12 anos na natureza e até 20 anos em gaiolas.

Sua reprodução em cativeiro se dá facilmente, necessitando apenas de um espaço amplo, preferencialmente acima de 2 metros quadrados, sendo que sua cópula acontece com a fêmea parada e o macho a sobrevoa durante longos períodos.

Quando filhotes a sua cor é parda(esverdeada). Após duas ou três trocas de pena(muda) o macho adiquiri a cor branca e negra ou negra e amarela (dependendo da espécie), a fêmea possui cor parda, sendo mais escura nas costas.

A maioria das fêmeas não canta.

fonte: http://www.ocoleiro.com/info/o-coleiro/

EXPRESSÕES

Existem vários termos utilizados pelos passarinheiros que são desconhecidos para quem se aproxima do mundo das aves silvestres. Segue abaixo algumas expressões e termos.

ANILHA: É um anel de metal que é colocado na perna dos pássaros nascidos em cativeiro, no quinto dia de vida, com seu número de identificação. A anilha só é colocada na pata de pássaros nascidos em criatórios comerciais ou na casa de um criador amadorista. Ter um anilha não significa que o pássaro é legalizado. A anilha pode ser falsa, ter sido colocada em uma ave que foi caçada no mato, de maneira ilegal. A anilha só tem validade quando ela corresponde ao registro que este pássaro tem no Sispass (ou em um Clube).

CABEÇA MOLE (OU DURA): Quando um pássaro tem poucos anos de vida ele ainda está aprendendo o canto de sua espécie. Nestes casos, alguns pássaros podem pegar o canto de uma outra espécie (caso sejam muito novos e fiquem ouvindo esta outra espécie cantar). Um pássaro que muda seu canto original por ouvir uma outra espécie é chamado de “cabeça mole”. Quando um pássaro já é maduro, e não pega o canto de outros, diz-se que ele já tem “cabeça dura”.

CORREU: É quando um pássaro é colocado em disputa de canto com um outro macho e ele pára de cantar por causa deste outro macho. Diz-se que ele “correu”. Um pássaro também pode “correr” para pessoas (alguém de quem ele tenha medo).

CRIADOR AMADORISTA:É todo aquele que é cadastrado no Sispass ou que é filiado a alguma associação ou clube. Em resumo, são os que possuem uma ave silvestre registrada. Estes criadores têm autorização para fazerem cruzamentos e tirarem filhotes em cativeiro.

CRIATÓRIO COMERCIAL: É um estabelecimento (uma loja ou uma casa) que tem autorização do IBAMA para comercializar aves silvestres. Estes estabelecimentos vendem aves registradas e emitem nota fiscal de seus animais.

ENFEMEAR: É quando coloca-se uma fêmea próxima a um pássaro para ele cantar mais. Pássaro “enfemeado” é aquele que fica dependente de uma fêmea para cantar.

ENTOPETOU: É quando o pássaro é colocado em disputa com outro macho e ele pára de cantar por causa deste outro macho. Diz-se que ele “entopetou”. Este termo tem sua origem no fato de que alguns pássaros, quando “correm” de outros, levantam o topete, na parte de trás da cabeça.

ESFRIAR: É quando um pássaro pára de cantar. Diz-se que ele “esfriou”. Um pássaro pode parar de cantar por diversas razões (ver detalhes no canal “Dicas”).

ESQUENTAR: É quando um pássaro volta a cantar, ou está cantando mais do que cantava antes. Diz-se que ele “esquentou”. Há várias formas de “esquentar” um pássaro (ver detalhes no canal “Dicas”).

FIBRA: É quando um pássaro continua cantando, mesmo na presença de um outro macho. Diz-se que ele tem “fibra”. Estes pássaros são os usados nos torneios de roda (ver detalhes no canal “Roda” ).

GALA: É quando o macho sobe na fêmea para o acasalamento. Diz-se que ele “galou” a fêmea. Quando a fêmea fica abaixando para o macho diz-se que ela está “pedindo gala”.

IBAMA: Órgão governamental que cuida de todas as questões ligadas ao meio ambiente e aos recursos naturais do país.

MATEIRO: É um pássaro do mato, que foi caçado na natureza. O mesmo que “xucro”.

MUDA: Todo ano, antes do inverno, os pássaros trocam de penas (para entrar na época do frio com penas perfeitas). Este período de troca de penas é chamado de “muda”. As mudas acontecem, geralmente, entre os mêses de Abril e Junho. Há mudas mais longas e mudas mais curtas. Há pássaros que perdem as penas de uma vez e há outros que vão perdendo aos poucos.

MUDA ENCRUADA: É quando o período da muda passa e o pássaro continua sem penas. Há diversas razões para a muda ficar “encruada” (veja o canal “Doenças”).

PARDO: A maioria dos machos muda de cor depois da primeira (ou segunda) muda de penas. Até a primeira muda os pássaros (machos e fêmeas) têm coloração em tons de marrom (pardo). Depois da primeira (ou segunda) muda, os machos ficam com as cores de adulto, mas as fêmeas continuam pardas.

PASSERIFORMES: Resumidamente, são os pássaros de canto e que se alimentam, basicamente, de sementes e frutas. Os populares “passarinhos”. Há algumas características que identificam os passeriformes: Quatro dedos nas patas (3 para frente e 1 para trás), ausência de membranas entre os dedos e um conjunto de 9 ou 10 penas primárias nas asas.

PARELHA: Quando você tem dois pássaros se escutando, você tem uma “parelha”. Isso é bom para fazê-los cantar, pois um escuta o desafio do outro e se sente incentivado a demarcar seu território. Aí eles ficam cantando um para o outro.

PINTANDO ou PINTÃO: É quando o pássaro está em um estado intermediário da muda. Ele não é totalmente pardo e não está totalmente com as cores de adulto. Diz-se que ele “está pintando” ou que ele “é pintão”.

REGISTRO: Um pássaro pode ter dois tipos de registro: Sispass ou Clube.

SISPASS: Pássaros que tem registro no Sispass, que nasceram em cativeiro, que foram anilhados ao nascerem.

CLUBE: No passado, quando não havia o Sispass, era impossível saber se um passarinho havia nascido em cativeiro ou se tinha sido caçado. Então, o IBAMA distribuiu anilhas aos clubes para que os passarinheiros anilhassem suas aves. Estes primeiros registros são chamados de “Registro Clube”.

RODA: É um torneio em que as gaiolas são colocadas em círculo para ver qual pássaro canta mais (veja detalhes no canal “Roda”).

SISPASS: É o órgão de dentro do IBAMA que cuida especialmente do controle dos pássaros de canto (os passeriformes). O Sispass tem um site onde são feitas todas as transferências entre os criadores. Quando alguém diz que tem um pássaro que é “Sispass”, ele quer dizer que seu pássaro é legalizado, que está registrado em seu nome e que pode ser transferido ao novo dono via internet.

XUCRO: É um pássaro do mato, que foi caçado na natureza. O mesmo que “mateiro”.

fonte: http://www.ocoleiro.com/expressoes/