Piquetes promovem menor custo de alimentação

fonte: http://www.tecnologiaetreinamento.com.br/aves-peixes/avicultura/piquetes-promovem-menor-custo-de-alimentacao/

Para que não haja desgaste na área de pastagem, deve-se fazer um rodízio de piquetes

2016120905

O piquete, normalmente empregado no sistema semi-intensivo, pode também ser utilizado no sistema extensivo. A taxa de ocupação no primeiro deve ser de no mínimo um metro quadrado por ave, enquanto que para o sistema com a ave sendo criada solta, a taxa é de cinco metros quadrados .

O uso de piquetes atende às necessidades operacionais do negócio, pois acarreta redução dos custos com a alimentação. A manutenção é basicamente com os cuidados básicos com a fertilidade do solo, a escolha da forrageira mais adequada à região, o respeito à taxa de lotação e o tempo de permanência das aves no cercado.

Segundo o professor Dr. Luiz Fernando Teixeira Albino, coordenador técnico do curso Criação de Frango e Galinha Caipira, elaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, “para evitar que a área de pastagem se desgaste, é feita a rotatividade de piquetes, subdividindo a mesma em vários espaços”.

O cercado do piquete deve ser feito com tela de arame de no mínimo 1,5m de altura, com uma mureta de cinco centímetros junto ao solo, para impedir o contato da tela com o chão. Pode-se também utilizar materiais alternativos, como cercas de bambu, de madeira, alvenaria, ou até mesmo cercado de pau-a-pique ou de tramas de varas de marmelo, como é feito na região nordeste.