Como domesticar uma ave

ARARA CANINDÉ (ARA ARARAUNA) | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
Domesticar uma ave pode revelar-se uma tarefa frustrante ao início, mas bastante compensatória no final.
As aves que não são “amamentadas” por nós necessitam de mais tempo e paciência para serem domesticadas. Deixo-vos aqui algumas dicas úteis para quem pretenda criar uma relação especial com uma ave:
Os primeiros tempos
Fazer uma aproximação sempre tranquila e confiante;
Assim que a ave chegar a casa, coloque-a na gaiola o mais rápido possível dando-lhe espaço e tempo para se ambiente ao seu novo lar;
Durante este período não se aproxime muito dela caso esta não seja dócil, mas permaneça no seu raio de visão e vá falando com ela;
Coloque a gaiola ao nível dos olhos, para que não tenha que se inclinar para falar com a ave, os pássaros manifestam receio perante esta atitude;
Atribua-lhe um nome porque isso vai ser importante;
Sempre que se aproximar da gaiola mencione o nome da ave e fale sempre tranquilamente;
Vá assobiando uma melodia igual de forma a que, sempre que a ave ouvir esta melodia fique mais tranquila;
Na altura de limpar ou segurar a gaiola, não faça movimentos bruscos.
Depois da ave estar habituada à sua nova casa e de estar à vontade com a sua companhia
Ao dar fruta, não a coloque logo na gaiola: dê-lha na sua mão, se possível sempre às mesmas horas;
Dê algo que a ave realmente goste: isso depende muito da espécie e dos gostos da própria ave. Os papagaios adoram amendoins (mas não exagere);
Até que a ave venha realmente comer à nossa mão pode levar semanas, sendo necessário uma enorme paciência e dedicação para não perder a confiança da ave;
Nunca a tente agarrar sem que seja extremamente necessário. Só poderá fazê-lo quando a confiança entre ambos for grande.
Consolidando a relação
Quando a ave já não mostrar medo, acaricie a cabeça ou o peito – sempre com calma e suavemente porque um gesto brusco pode levar tudo à estaca zero;
Para que a ave saia da gaiola sem medo ponha uma mão à altura das patas e segure na outra mão um petisco um pouco mais alto, para que ela tenha que utilizar a primeira mão como degrau;
Antes de soltar a ave, não se esqueça de verificar se todas as portas e janelas estão fechadas, de retirar todas as plantas venenosas e certifique-se que nenhum outro animal de estimação perseguirá a ave;
Na hora dela regressar à gaiola, use o truque do petisco, mas no sentido inverso;
Se não resultar, a melhor forma de capturar a ave (e menos traumatizante) é lançando sobre ela um pano, depois de ter escurecido o espaço.
Conselho: Tenha muita paciência e calma que o resultado final é muito gratificante, se a ave for mais teimosa insista e não desista!

fonte: https://www.mundodosanimais.pt/aves/psitacideos/#aparar-unhas

AVES: Quarentena

O que significa quarentena?
É uma denominação dada ao isolamento temporário de aves em geral, ao chegarem a um novo ambiente, para avaliação de seu estado como medida preventiva de controlo de doenças e com isso evitar a sua transmissão.
O período aproximado da quarentena é de 20 a 30 dias.
Durante a quarentena, as aves recém chegadas ficam acomodadas em ambiente isolado do restante da criação e, nesse período, quando possível, devem ser feitos exames clínicos e laboratoriais (parasitológico de fezes), etc., para que as aves possam ser devidamente tratadas antes de serem transferidas para o mesmo local das restante aves.

A arte de criar à mão

Afinal o que é “criar à mão” uma ave?

PAPAGAIOS CINZENTOS CRIADOS À MÃO | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
É uma arte que é praticada há já muitos anos por criadores mais experientes e que exige muita dedicação, paciência e tempo. Consiste em criar uma ave desde o seu nascimento.
E porquê criar à mão?
Certas aves não são tão boas mães como desejávamos que fossem. Algumas partem os ovos, outras não alimentam os seus filhotes e outras ainda os matam. Então para que isso não aconteça, retiramos os ovos ou crias para então “criar à mão”.
Outra situação possível é retirar as aves com alguns dias de vida para podermos criá-las até à fase de serem independentes. Assim tornam-se bastante meigas e sociáveis sendo óptimas mascotes de companhia.
Jandaias amarelas (Aratinga solstitialis)
JANDAIAS AMARELAS (ARATINGA SOLSTITIALIS) | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
Criar uma ave à mão é muito arriscado, não aconselho a ninguém que não tenha experiência, além de exigir muito do nosso tempo, se não for feito adequadamente pode causar facilmente a morte da ave.
Muitas vezes encontramos crias mortas nos ninhos e, ao criar à mão estamos a dar-lhe uma oportunidade de sobrevivência. Ao retirarmos as crias estamos a contribuir para que a taxa de mortalidade diminua, e os pais com menos crias no ninho, criam muito melhor os restantes filhotes.
Nos dias de hoje já é mais fácil fazê-lo.
Existe muita informação na Internet, em livros e já existem papas próprias para o fazer, bem como os diversos materiais imprescindíveis para a criação de uma ave à mão.
Antes de se aventurar na prática de criar à mão é necessário organizar detalhadamente e programar todas as actividades a realizar. Os resultados obtidos justificam o tempo perdido, estas aves ficam muito dóceis e divertidas, tornando-se facilmente membro da família.
Amigas, fiéis e muito companheiras, necessitam muito de companhia e atenção e de cuidados redobrados por se tornarem tão dependentes do seu dono. Só aconselho a criar à mão se tiver tempo e disponibilidade, caso contrário estará a prejudicar a ave.

fonte: https://www.mundodosanimais.pt/aves/psitacideos

Araras e papagaios

PAPAGAIO CAMPEIRO (AMAZONA OCHROCEPHALA) | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
As araras e os papagaios foram sempre as aves de estimação mais cotadas e apreciadas por todos nós, tendo a simpatia de todos devido à sua habilidade de imitar a voz humana.
Existem relatos de araras em cativeiro que viveram 60 anos e de papagaios que viveram 80 anos. Ao adquirir uma ave selvagem nascida em cativeiro, a longevidade dessa ave depende exclusivamente do tipo de ambiente, alimentação e cuidados que lhes disponibilizamos.
Os psitacídeos possuem características muito marcantes e o seu fenótipo é reconhecido de imediato, embora variem drasticamente de tamanho, desde as 25 gramas (forpus) até aos 1,5 quilos (araras). Possuem bicos altos e curvados, lembrando o das aves de rapina. Impressiona o peso da cabeça de uma arara, devido ao tamanho colossal do bico que, por exemplo, numa ave de 940 gramas atinge 180 gramas (19% do peso total da mesma).
Os papagaios são definidos como aves de bico com formato arredondado, maxila móvel, articulada ao crânio, com movimentos de extensão que aumentam a potência do bico, usado para partir sementes duras. Possuem línguas grossas, sensíveis e riquíssimas em papilas gustativas.
Estas aves têm um papo grande que é usado para armazenar durante horas a ceva que será dada aos filhotes.
Os psitacídeos têm uma visão apurada possuem na retina, duas fóveas. O tarso é muito curto, com o quarto dedo (dedo externo) deslocado para trás, junto ao primeiro. A grande habilidade dos dedos é controlada por uma musculatura peculiar. Asas compridas e fortes, plumagem curta e dura.

fonte: https://www.mundodosanimais.pt/aves/psitacideos/#aparar-unhas

Adquirir uma ave

PAPAGAIOS DO SENEGAL (POICEPHALUS SENEGALUS) | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
Quando adquirir uma ave, deve fazê-lo com o máximo cuidado e apenas após ter feito um estudo exaustivo da espécie, de forma a ter o melhor habitat para a mesma e saber como reagir em caso de risco – seja um periquito de 3€ ou uma arara de 3.000€.
Uma gaiola com dimensões adequadas, alimentação apropriada, água sempre fresca e uma localização onde não esteja nem em correntes de ar, nem em exposição directa ao Sol e em zonas abafadas, são os requisitos mínimos.
De forma alguma adquira uma ave num local onde não lhe saibam dar informações detalhadas sobre a mesma. Em caso de necessidade não lhe poderão ajudar. Não deve além disso comprar um animal que tenha falta de penas, esteja manifestamente “murcho” ou em que note fezes completamente líquidas.
Aspetos a considerar antes de comprar um psitacídeo
Papagaio diadema (Amazona autumnalis ou Amazona diadema)
PAPAGAIO DIADEMA (AMAZONA AUTUMNALIS OU AMAZONA DIADEMA) | FOTOGRAFIA: FREDERICO LISBOA
Se adquirir um psitacídeo mais velho, deverá ser alegre e vivaz, os olhos devem ser brilhantes e deve-se movimentar activamente na gaiola.
Caso a ave esteja com uma patinha recolhida ou com a cabeça entre as asas, provavelmente está doente, se não estiver com sono e não o conhecer, ele reagirá logo se colocar a sua mão próxima da gaiola tentando bicar ou pedir carinho.
Plumagem
Um papagaio deve ter penas brilhantes, cores vivas e ser bem macias. Penas desordenadas, sem cuidado, sem boa aparência, opacas podem ser um indicativo de doença! Em bebés, as penas podem ainda não estar completas, mas devem cobrir todo o corpo com uma espécie de canudinhos.
Alimentação
Verifique se os recipientes de comida estão a ser usadas, uma ave que não come, seguramente está doente. Se averiguar que a ave esteja a comer pouco é indicativo de problema. Também um hábito de má alimentação pode causar problemas futuros.
Fezes
Se as fezes estão aguadas, ou se existe um anel de água ao redor das fezes sólidas, isto pode ser um indicativo de doenças ou de uma pobre dieta alimentar. As fezes devem ser sempre sólidas e verdes com uma pequena parte branca.
Um psitacídeo tem uma longa vida e requer cuidados, gastos e muita atenção! Não adquira se não puder atender a todas as suas necessidades!

fonte: https://www.mundodosanimais.pt/aves/psitacideos/#aparar-unhas